É Melhor não Ir

    Era médium vidente.

    Identificava, freqüentemente, junto de si, simpático espírito.

    Dizia ser seu protetor.

    Habituara-se a consultá-lo. Em princípio, a respeito de questões doutrinárias; depois, problemas pessoais; finalmente, a pretexto de qualquer assunto.

    Quando adquiriu um automóvel, motorista inexperiente, incorporou a ajuda do acompanhante espiritual a partir de sua indecisão, num cruzamento movimentado. Ouviu do resoluto mentor:

    - Vai que dá! - Ficou feliz. Tinha agora eficiente "co-piloto". Em qualquer dificuldade no trânsito aguardava o sinal verde:

    - Vai que dá!

    Ficou tão animado que logo se dispôs ganhar a estrada.

    E dirigia tranqüilo, confiante no guardião : do Além.

    Em dado momento, no alto de uma encosta, avistou enorme caminhão que iniciava a descida do outro lado, em alta velocidade. Lá embaixo havia ponte estreita, com passagem para um veículo apenas.

    Nosso herói vacilou. Daria tempo para cruzá-la, antes da chegada do caminhão?

    O mentor veio em seu socorro:

    - Vai que dá!

    Animado, o motorista neófito pisou o acelerador e desceu a encosta, imprimindo velocidade ao veículo.

    No entanto, ao entrar na ponte, viu que o mesmo fazia o caminhão, do outro lado! Choque frontal inevitável! Conseqüências catastróficas! Desses acidentes em que se costuma dizer que "não escapou nem a alma do motorista".

    O médium arregalou os olhos, apavorado, enquanto o mentor, a seu lado, murmurando desolado:

    - Xii!... Acho que não vai dar, não! ora apenas um palpite! Errado!

    * * *

    Essa história está em meu livro "Atravessando a Rua ", publicado pelo Instituto de Divulgação Espírita, o IDE, de Araras.

    Ilustra problemas relacionados com velha tendência humana:

    Imaginar os espíritos como oráculos infalíveis, detentores de todo saber e protetores perfeitos, capazes de todos os prodígios.

    Infelizmente, dirigentes desavisados estimulam essa tendência, transformando os Centros Espíritas em gabinetes de consulta, envolvendo médiuns sem disciplina e orientadores sem orientação.

    Esqueceram, ou pior, talvez nunca tenham atentado à sábia observação de Kardec, contida em "Obras Póstumas", segunda parte, quando fala de seus contatos iniciais com a Espiritualidade:

    "Um dos primeiros resultados que colhi das minhas observações foi de que os espíritos, nada mais sendo do que as almas dos homens, não possuíam nem a plena sabedoria, nem a ciência integral; que o saber de que dispunham se circunscrevia ao grau que haviam alcançado, de adiantamento, e que a opinião deles só tinha o valor de uma opinião pessoal.

    Reconhecida desde o princípio, esta verdade me preservou do grave escolho de crer na infabilidade dos espíritos e me impediu de formular teorias prematuras, tendo por base o que fora dito por um ou alguns deles".

    Oportuno lembrar, também, a incisiva recomendação do espírito Erasto, no capítulo XX de "O livro dos Médiuns", reportando-se aos cuidados a serem observados por aqueles que se dispõem ao intercâmbio com o Além:

    Observe, portanto, o prezado leitor:

    "Na dúvida, abstém-se, diz um dos vossos velhos provérbios. Não admitais, portanto, senão o que seja aos vossos olhos, de manifesta evidência. Desde que uma opinião nova venha a ser expendida, por pouco que vos pareça duvidosa, fazei-a passar pelo crivo da razão e da lógica e rejeitai desassombradamente o que a razão e o bom senso reprovarem.

    Melhor é repelir dez verdades do que admitir uma única falsidade...".

    O exercício mediúnico preconizado pela Doutrina Espírita está alicerçado em disciplinas muito seguras, que, observadas, nos permitem um contato produtivo e proveitoso com o Além.

    Esse intercâmbio é de valor inestimável!

    Ele nos familiariza com a vida além-túmulo, dando-nos noção do que nos espera, a fim de que a morte não nos imponha penosas surpresas.

    Mas é preciso discernimento, tendo sempre presente que os espíritos do tipo "vai que dá", só conseguem "pôr as mangas de fora" onde, contrariando a orientação da Doutrina, o estudo, a disciplina e o discernimento ainda não chegaram.

    Nesses grupos, é bom não ir.


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens