O Boneco

    Osório, sua esposa Selma e o filho Tiago almoçam, tranqüilos, quando ouvem gritos. É Carmem, a filha mais nova, nos fundos da casa. Acodem rápido!
    - Vejam que horrível! - mostra a jovem, assustada.
    Num canto do quintal, perto da piscina, o objeto de tamanho alarido: um boneco de pano, muito estranho, com várias costuras no ventre e na boca, manchas de sangue no tecido surrado, espetado por várias agulhas...
    - Não toquem! Cuidado! É um "despacho" - adverte Felismina, a empregada doméstica.
    - Meu Deus! Quem será o malvado que nos quer prejudicar? Não fazemos mal a ninguém! - reclama a dona da casa.
    E dirigindo-se ao marido:
    - Certamente é arte daquela sirigaita que trabalha em sua repartição! Ela não esconde que o considera um ótimo partido. Seria um viúvo disputado! Valha-me, Jesus amado! Sinto falta de ar... É pra mim essa encomenda das trevas!
    - Ora, querida - responde o esposo, conciliador - não julgue assim a pobre Anita. Conheço-a bem. Seria incapaz de semelhante maldade! Suspeito antes do Costinha e sua mulher. São invejosos... Provavelmente estão pretendendo "amarrar" nossa prosperidade! É preciso fazer algo rápido para neutralizar essa nefasta influência, porquanto também fui atingido... Ah! Minha enxaqueca!... Parece que martelam meus miolos!...
    - Coisa boa não é! acrescenta, perturbado, Tiago - As agulhas parecem enterradas em meu próprio corpo. Dói tudo! Isso é pra mim. Quando me apaixonei pela Margarida e rompi o noivado com Júlia ela jurou que eu pagaria pela desfeita.
    - Você, que entende dessas coisas, o que nos diz, Felismina?
    A empregada responde, enfática:
    - Não sei quem fez, mas é para prejudicar a família toda. Com a confusão que mora nesta casa não tenho dúvida de que há males encomendados!...
    O grupo assusta-se mais! O medo cresce fermentado pela dúvida. O desajuste encontra portas abertas. Todos tensos e angustiados. Selma está na iminência de um colapso nervoso.
    Batem à porta. É o vizinho que, levado ao quintal, vai dizendo:
    - Bom dia! Desculpem importuná-los. Queria pedir licença para levar o boneco de meu filho. O irmão o jogou neste quintal. O garoto está em prantos. Seu sonho é ser médico cirurgião. O fantoche é seu "paciente". Já o "operou" muitas vezes. Não tem mais onde costurar... Até sangue inventou, usando molho de tomate. E pratica acupuntura, espetando-o com agulhas...
    O "despacho" é devolvido. O visitante retira-se. Olham-se todos, atônitos! Descontraem-se. O riso solto saúda abençoado alívio. Osório comenta, bem humorado:
    - Felizmente o vizinho chegou a tempo! Se demorasse um pouco poderíamos morrer... de susto!


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens