A Negação de Pedro

    "E Pedro o seguia de longe, até o pátio do sumo sacerdote e, entrando, assentou-se entre os criados para ver o fim." (Mateus, 26:58)


    Afirma Emmanuel que o fracasso, como qualquer êxito, tem causas positivas.

    Pedro foi admoestado reiteradas vezes por Jesus no sentido de "orar e vigiar"; e o fracasso do humilde pescador Galileu teve origem na sua desatenção. Ninguém poderá, entretanto, "atirar-lhe a primeira pedra", porque todos nós participamos igualmente das mesmas negações. Ainda não aprendemos a seguir as advertências do Mestre, contidas nas páginas dos Evangelhos.

    Na descrição de Mateus, vimos Pedro "seguir o Mestre de longe", permanecer "no pátio do sumo sacerdote" e "assentar-se entre os criados para ver o fim".

    O mesmo quadro se repete há vinte séculos, pois, ainda agora, continuamos a seguir o Cristo à distância, temerosos de perdermos as vantagens que a vida material nos oferece.

    Quando convocados para o trabalho, geralmente demorava-nos "no pátio" do convencionalismo terreno, onde se desenvolvem as tarefas transitórias que constituem a preocupação primária do homem, entre "os criados" dos interesses imediatistas e dos conchavos que levam alguns a se locupletarem à custa dos direitos alheios, preferindo "ver de longe o fim" das tarefas desenvolvidas pelos seareiros mais animosos.

    Esse modo de agir leva muitos ao fracasso, do mesmo modo como fracassou o velho apóstolo. Estes também chorarão amargamente quando o "cantar do galo" anunciar-lhes que está prestes a findar-se mais uma de suas tarefas terrenas, esvaindo-se assim mais uma oportunidade redentora de um ciclo reencarnatório.

    O episódio da negação de Pedro tem por objetivo principal demonstrar a necessidade imperiosa da "oração e vigilância" para não se cair nas malhas das tentações oriundas das nossas próprias inferioridades, pois, mesmo aqueles que estão colocados em posições proeminentes no desempenho das missões terrenas, poderão tornar-se vítimas das investidas das entidades trevosas, que tudo fazem no sentido de protelar o processo grandioso e incessante da implantação do reinado da luz na face da Terra.

    Muitos homens fracassam porque não se revestem da couraça da e da decisão inabalável de servir o Cristo no setor que lhe foi atribuído pelo Alto.

    As negações ou vacilações de Pedro ocorreram em etapas distintas no decurso do Messiado de Jesus:

    A primeira, segundo a narração do próprio Mateus (16:22-23), teve lugar quando Pedro "tomando-o de parte, começou a repreendê-lo, dizendo: Senhor, tem compaixão de ti; de modo nenhum te acontecerá isso. Ele, porém, voltando-se disse a Pedro: "Para trás de mim, satanás, que me serves de escândalo; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas só as que são dos homens".

    A segunda ocorreu quando o Mestre, em companhia de Pedro, Tiago e João, desciam do Monte Tabor, após a transfiguração. Os três apóstolos estavam face a face com um dilema: o Cristo havia confabulado com o Espírito de Elias, e as escrituras preconizavam que Elias viria na frente do Cristo a fim de preparar-lhe o caminho. Ou as escrituras estavam erradas, ou aquele que ali estava não era o Cristo. Se Elias era Espírito desencarnado, como poderia ser o precursor de Jesus, que já estava entre os homens?

    Daí a indagação: "Por que dizem então os escribas que é mister que Elias venha primeiro? E Jesus, respondendo, disse-lhes: Em verdade Elias virá primeiro, e restaurará todas as coisas; mas digo-vos que Elias já veio, e não o conheceram, mas fizeram-lhe tudo o que quiseram. Assim farão eles também padecer o Filho do homem. Então entenderam os discípulos que lhe falara de João Batista." (Mateus, 17:10-13).

    A terceira está contida em Lucas 22-31: "Disse também o Senhor: Simão, Simão, eis que satanás vos pediu para vos cirandar como trigo; mas eu roguei por ti, para que a tua não desfaleça; e tu, quando te converteres, confirma teus irmãos".

    A quarta ocorreu quando Pedro, no pátio do sumo sacerdote, nega Jesus por três vezes consecutivas (Lucas 22:54-62), passando a chorar amargamente quando o cantar do galo fez com que ele se lembrasse do vaticínio do Mestre em torno do seu fracasso.

    O valoroso apóstolo de Jesus, apesar da sua idade avançada, foi com João e Tiago um dos que gozaram de maior confiança por parte do Mestre. Os três tomaram parte, invariavelmente, em todos os acontecimentos importantes no decurso da missão do Mestre, e algumas das vacilações ocorridas, como pode ser visto, se prenderam mais ao seu idealismo e ao desejo insopitável de servir a causa esposada pelo Meigo Rabi.

    No decurso do Messiado de Jesus ocorreram muitas outras negações, de muito maior envergadura:

    Os escribas e fariseus negaram o Mestre quando, apesar de todos os sinais por ele propiciados, evidentemente corroborado pelas próprias escrituras e por quase todos os profetas, vieram lhe pedir um sinal do céu.

    Os setenta discípulos narrados por João, no versículo 60, capítulo 6, do seu Evangelho, negaram o Cristo quando, ouvindo o seu discurso, foram se debandando, um após outro, não se conformando com a forma de servir por ele esboçada.

    Judas Escariotes negou o Senhor quando, após ter presenciado tantos fatos supranormais e ouvido tantos ensinamentos maravilhosos, entregou-o aos seus verdugos a troco de trinta moedas de prata.

    Quando o Mestre formulou uma convocação mais ampla a um grupo de pessoas para que o seguisse, e um alegou que precisava primeira ir sepultar o seu pai, foi outro que necessitava primeiro atender os reclamos da sua casa (Lucas, 9:57-61). Ocorreu ali autêntica negação.

    Os próprios irmãos de Jesus negaram-no, pois João afirma em seu Evangelho (7:5), que "nem mesmo seus irmãos criam nele".

    O Mancebo de Qualidade (Lucas 18:23), de forma idêntica, negou o Mestre, quando se retirou, após ouvir o conselho para "vender e dar aos pobres tudo quando possuía".


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens