O Quinhão do Discípulo

    Cercado de potências angélicas, o Mestre dos mestres recebia a longa fileira de almas necessitadas, a chegarem da Terra, trazidas pelas asas veludosas do sono.

    Rogativas particulares sucediam-se ininterruptas. E o Divino Dispensador as acolhia afavelmente. Para as solicitações mais disparatadas, oferecia a ternura do benfeitor e o sorriso do sábio. Jovens e velhos, adultos e crianças eram admitidos à Augusta Presença, um a um, expando cada qual sua necessidade e sua esperança.

    – Senhor – implorava carinhosa mãe, de olhos súplices –, meus filhos aguardam-te a complacência vigilante!

    E prosseguia, aflita, enumerando intrincados problemas domésticos, destacando projetos para o futuro, na experiência carnal.

    O Mestre ouviu e recomendou aos cooperadores atendessem a súplica, na primeira oportunidade.

    Seguiu-se-lhe linda jovem que rogou, ansiosa:

    – Oh! Jesus, atende-me! socorre meu noivo que sucumbe... Livra-o da morte, por piedade! sem ele, não viverei!...

    O Benfeitor Divino ouviu, atento, e ordenou que os emissários restituíssem o dom da saúde física ao doente grave.

    Logo após, entrou velho e simpático lavrador, de gestos confiantes, que se prosternou, suplicando :

    – Doador da Vida, abençoa meu campo! Peço-te! Amo profundamente a terra que me confiaste. R celeiro do meu pão, recreio de meus olhos, esperança de minha velhice!...

    O Pastor Divino sorriu para ele, abençoou-o, afetuosamente, e determinou aos auxiliares santificassem o ritmo das estações sobre o campo daquele trabalhador devotado, para que ali houvesse flores e frutos abundantes.

    Em seguida, cavalheiro respeitável penetrou o recinto de luz, evidenciando nobre posição intelectual, e solicitou, reverente:

    – Protetor dos Necessitados, o ideal de realizar algo de útil na Terra inflama-me o espírito...

    Dá-me possibilidades materiais, concede-me a temporária mordomia de teus infinitos bens! Quero combater o pauperismo, a fome, a nudez, entre os homens encarnados... Auxilia-me por compaixão!

    O Embaixador do Sumo Bem contemplou-o, satisfeito, aquiesceu com palavras de estímulo e designou adjuntos para a articulação de providências, quanto à satisfação do pedido.

    Minutos depois, entrou um filósofo que implorou:

    – Sábio dos sábios, dá-me inspiração para renovar a cultura terrestre!...

    O Cristo aprovou a petição, concedendo-lhe vasto séqüito de instrutores.

    E a legião dos suplicantes prosseguia sempre, movimentada e feliz, valendo-se da visita providencial do Celeste Benfeitor às sombrias fronteiras da carne. Jesus atendia sempre, ministrando incentivos e alegrias, graças e consolações, determinando medidas aos assessores diretos.

    Em dado instante, porém, o círculo foi penetrado por um homem diferente. Seu olhar lúcido falava de profunda sede interior, seus gestos respeitosos traduziam confiança e veneração imensas.

    Ajoelhou-se, humilde, estendeu os braços para o Emissário do Eterno Pai e, ao contrário de quantos lhe haviam precedido na súplica, explicou-se com simplicidade :

    – Senhor, eu sei que sempre dás, conforme nossos rogos.

    Ante a estupefação geral, continuou :

    – Há quase vinte séculos, ensinaste-nos que o homem achará o que procura e receberá o que pede...

    O Divino Orientador ouvia, comovido, enquanto os demais seguiam a cena com admiração.

    O visitante reverente deixou cair lágrimas sinceras e prosseguiu :

    – Vezes inúmeras, tenho lidado com o desejo e a posse, com a esperança e a realização, nos círculos transitórios da existência carnal. Estou pronto para cumprir-te os desígnios superiores, seja onde for, quando e como quiseres, mas, se permites, rogo-te luz divina do teu coração para o meu coração, paz, alegria e vigor imortais de tua alma para minhalma!... Quero seguir-te, enfim!...

    Com doçura admirável, o Mestre tocou-lhe a fronte e indagou :

    – Queres ser meu discípulo?

    – Sim! – respondeu o aspirante da luz.

    Calou-se o Cristo. Verificando-se intervalo mais longo, e considerando que todos os pedintes haviam recebido gratificações e júbilos imediatos, o aprendiz perguntou:

    – Que me reservas, Senhor?

    O Doador das Bênçãos contemplou-o com ternura e informou :

    – Volta ao campo de teus deveres. Entender-me-ei contigo diretamente.

    E depois de um silêncio, que ninguém ousou interromper, o Mestre concluiu:

    – Reservar-te-ei a lição.


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior

    Acesse todas as Mensagens