Lição Viva

    A caminho do aeroporto, Aristeu Soares comentava com o amigo Alcides Mota os ensinamentos recolhidos na reunião mediúnica da véspera, e estabeleceu-se, de pronto, curioso diálogo.

    - Creio absolutamente inoportuna qualquer pregação tendente a ferir-nos a independência – falava Soares, decidido.

    - Mas... – volvia Mota, reticencioso.

    - O assunto não comporta evasivas. Os Espíritos amigos que se comuniquem, que consolem, que instruam; no entanto, nada de fabricarem freios psicológicos, copiando as religiões do passado.

    - Mas, estamos no estágio da reencarnação, à maneira de alunos na escola. Não sabemos tudo e nem dispensamos o auxílio de professores que nos apontem o caminho certo, para que venhamos a errar o menos possível...

    - Ninguém aprende sem experimentar a lição por sí próprio.

    - A função do ensino será, decerto, conduzir-nos à experiência sem quedas desnecessárias.

    - Você está procurando subterfúgios.

    - Não, meu caro, compreendamos que os bons Espíritos nos ajudam sem coação. A lei de Deus nos conclama a viver hoje de modo mais elevado que antes. Você, claro, não quererá repetir as mesmas faltas de passadas reencarnações...

    - Isso é outra coisa. O ensinamento é luz para o íntimo. Concordo em que os benfeitores espirituais nos eduquem os sentimentos; entretanto, a meu ver, não é justo que se aproveitem do intercâmbio conosco para nos arredarem da regalia de proceder como quisermos... Serão bons amigos, sem dúvida; contudo, na maioria das vezes, fazem-se doces e afáveis para induzir-nos a uma posição de disciplina que não aprovo. Nada de exposições acerca de penas e lágrimas além-túmulo e de apelos constrangedores a essa ou àquela atitude, ante os princípios de causa e efeito, quais se devêssemos desempenhara o papel de crianças assombradas...

    - Soares, Soares!... Você, ao que vejo, não percebe que os instrutores espirituais nos guiam para o bem, exclusivamente para o bem...

    - Compreendo que se prova a imortalidade da alma e aceito a necessidade da convicção, mas não justifico advertências e avisos de amigos encarnados ou desencarnados. Se todos dispomos de livre arbítrio e se a rópria Doutrina Espírita consagra a responsabilidade pessoal, por que motivo os discursos ou escritos de corrigenda ou reprovação?!...

    Mota, porém, não esmorecia na sensata argumentação com que se impunha, e replicava, enquando o ônibus deslizava, célere:

    - Lembre-se de que estamos na Terra, “mundo de provas e expiações”. Somos na Humanidade os membros de uma só família, na obrigação de amparar-nos e defender-nos mutuamente. Em muitas ocasiões, em vez de agirmos com acerto, procedemos à feição de loucos... Ora, nem sempre cumpriremos o dever de solidariedade, oferecendo rosas e caramelos uns aos outros. Um companheiro, prestes a afogar-se, é salvo através de um choque providencial!...

    - Não. Nesta de escapatória. Acidente é outra coisa. Refiro-me a conselhos que ninguém pede...

    - Onde colocaremos, então, a medicina preventiva e os preceitos da ordem social? Num planeta, qual o nosso, não podemos ignorar o valor da polícia e da imunização.

    - Não me venha com sofismas. Sou contra qualquer palavra da Terra ou do Mundo Espiritual que intente furtar-nos o direito irrestrito à liberdade de ação...

    Nisso, o veículo parou e a conversa interrompeu-se, porque o avião estava quase a decolar.

    Mais alguns minutos, e os dois companheiros se achavam a pleno céu, confortavelmente instalados no rumo da capital argentina.

    Tudo corria às mil maravilhas, quando, a meio da noite, ambos viram certo companheiro de viagem, evidentemente enfermo e em momento de insânia, ajustando uma bomba, rente a si próprio, para suicídio espetacular.

    Foi então que Mota falou para Soares, com excelente lógica:

    - Agora, meu caro, recordemos nosso desacordo e examinemos a prova diante de nós. Tomamos medida contra o vizinho em delírio ou comprometemos, conscientemente, não apenas a nossa vida, como, também a vida de dezenas de passageiros. E não é só. É preciso agir com prudência ou iremos todos pelos ares...

    Aristeu concordou num sorriso amarelo:

    - É... é...

    E enquanto Mota se dirigia, cauteloso, ao comando da nave, para a solução pacífica do problema, foi o próprio Soares quem se abeirou, afetuosamente, do louco e, após identificar-lhe a condição de espírito revoltado, passou a advertí-lo com palavras de brandura e entendimento, chamando-o por "Irmão".


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens