O Medo da Morte

    O medo da morte é um atavismo que acompanha as gerações ao longo dos tempos. Mesmo para os que sabem que a vida continua no Além, devido à imortalidade da alma, fica difícil se defrontar com esta realidade. Ontem foi Dia de Finados e já ouvi falar de muita gente que evita ir a cemitérios, em qualquer época, por conta deste medo. Na realidade, ali estão apenas os restos da vestimenta física porque a verdadeira essência ou, em outras palavras, os espíritos mesmo estão espalhados pela dimensão deste imenso Universo.
    O filósofo Waldo Lima do Valle, em seu livro Morrer. E Depois? afirma que ninguém estará sozinho no instante da morte. Nos esclarece que "assim como, no nascimento, sempre há alguém por perto, desde uma simples parteira inexperiente ao mais afamado ginecologista, do mesmo modo, por ocasião da partida da alma, sempre haverá um espírito protetor, um anjo guardião, um parente distante, um pai ou uma mãe à espera. E, mais uma vez, manifestam-se aí a infinita misericórdia divina e amor de Deus por todos os seus filhos, sem distinção".
    Por outro lado, Waldo ressalta que "nessa assistência que o Pai Celestial permite que todos recebam, somente espíritos perversos, cruéis e desalmados, criam barreiras quase intransponíveis para a intercessão dos espíritos do bem. Ficam, então, entregues a sua própria sorte, envolvidos pelas vibrações doentias de vingança e represália dos desafetos, e chegam a sofrer, duramente, nas mãos desses seres das trevas, até que despertem para os valores superiores do espírito".
    Em outras palavras, no seu livro Ponto de Vista, o autor Octávio Caúmo sintoniza-se bem com a idéia, nos esclarecendo que nossos entes queridos não são diferentes da maioria das almas. Portanto, conclui que ao chegarmos na espiritualidade podemos encontrar diferentes situações, tais como:
    a) - Nossos parentes desencarnados estão acima da faixa onde iremos desembarcar. Poderão nos visitar, esporadicamente, mas têm tarefas mais importantes do que simplesmente cuidar de nós. Além disso, se na Terra sempre nos desentendemos, porque agora pretender o milagre da pronta harmonia. A morte não muda as criaturas.
    b) - Poderá ocorrer que eles estejam em faixas inferiores àquela onde vamos estagiar e, mesmo que queiram, não têm condições de chegar até nós. Têm, por enquanto, as próprias faltas a expiar.
    c) - Convêm também considerar que os familiares já podem estar reencarnados. Nossa mãe, que estamos ansiosos por rever, já está ao nosso lado, há tempo. Pode ser aquela netinha e nem percebemos.
    - Mas isto é aflitivo! Quem irá nos receber quando chegarmos no mundo dos Espíritos. Haverá alguém?
    É evidente que sim, sempre há. O tipo de Espíritos é que varia. Seremos recebidos por amigos, se tivermos merecimento pela ajuda que lhes prestarmos enquanto na matéria. Encontraremos criaturas das trevas, se fomos nocivos à coletividade e ignoramos as dores e necessidades do próximo. Esta receita vale, inclusive, caso nossos parentes estejam presentes, pois nada poderão fazer por nós. A justiça na espiritualidade não aplica o 'jeitinho'. Ali é o mundo da justiça e da verdade".


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens