Dar a César

    Os fariseus constituíam um importante partido político-religioso entre os judeus, ao tempo de Jesus, e cultivavam uma religiosidade de superfície, baseada em exterioridades. O Evangelho os apresenta, em várias passagens, em atitude hostil ao Mestre.

    Indagado, certa feita, por eles, sobre a obrigação de pagar imposto aos romanos, respondeu-lhes Jesus: "Daí a César o que é de César e a Deus o que é de Deus". A pergunta fora capciosa pois esse tributo era detestado em Israel e, conforme a resposta de Jesus, esperavam os fariseus indispô-lo com a autoridade romana (caso aconselhasse o não pagamento do imposto) ou desacreditá-lo junto ao povo (caso recomendasse o pagamento). Com aquela resposta Jesus surpreendeu e desorientou os astuciosos interlocutores aproveitando ainda a oportunidade para dar um ensinamento de caráter geral.

    Devemos notar, desde logo, que não foi estabelecida uma opção - ou a César ou a Deus - nem uma sucessão: primeiro a um, depois ao outro. As recomendações são simultâneas, ficando evidente que o Mestre não via incompatibilidade entre as exigências da vida social e as diretrizes religiosas, entre e cidadania.

    Há, compreensivelmente, algumas diferenças. César, a autoridade humana, estabelece leis e cobra impostos, oferecendo, em troca, um conjunto de condições e serviços necessários à existência material (hospitais, escolas, órgãos de segurança, justiça etc). Deus, nosso Pai, nos oferece a vida para que sejamos felizes, respeitando e promovendo a felicidade do próximo.

    César quase sempre impõe e o não atendimento às suas determinações se faz acompanhar, imediatamente, de medidas punitivas diversas. Deus propõe, convida à livre adesão às Suas leis que, seguidas, nos felicitam com a alegria e a paz e, desrespeitadas, quando permitimos a instalação da desarmonia em nós mesmos, ainda assim, nos ajudam a sanar as nossas deficiências, conduzindo-nos para a felicidade.

    Dada a nossa posição evolutiva, nunca foi tarefa simples - nem tampouco impossível - conciliar as duas recomendações. No passado e ainda hoje parece aceitável para muitos estabelecer uma compartimentação que permite buscar a vantagem imediata no dia-a-dia, mesmo lesando interesses alheios e, supostamente, atender a Deus comparecendo periodicamente a um templo, para acompanhar prédicas e preces, fazendo, eventualmente, alguma doação material. Não é isso, contudo, o que a religião preconiza, sabendo-se, aliás, que as primeiras gerações cristãs compunham-se de pessoas comuns, que tinham conduta social exemplar vivenciando o amor a Deus e ao próximo, como recomendara o Mestre.

    Comentando aquele ensinamento, observa o Codificador, "Esse princípio é uma conseqüência daquele outro que manda agir com os outros como quereríamos que os outros agissem conosco. Condena todo prejuízo material e moral causado aos outros, toda violação dos seus interesses... Estende-se ao cumprimento dos deveres contraídos para com a família, a sociedade, a autoridade, bem como para os indivíduos em geral."



    "O Evangelho segundo o Espiritismo" (capítulo 11, itens 6 e 7).

    Textos do editorial "S.Xavier" do boletim SEI - Serviço Espírita de Informações
    SEI 1702, de 11/11/2000.


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens