Donde Vens

    Nos dias graves das perseguições aos cristãos, conta uma velha tradição que os discípulos e amigos de Pedro sugeriram-lhe que abandonasse Roma, a fim de ter a vida poupada e melhor continuar como testemunha do Evangelho, amigo pessoal que fora de Jesus.
    A princípio, o velho pescador relutou contra a idéia. Todavia, acompanhando o recrudescimento da impiedade de Nero contra os seguidores do Cristo e a diminuição deles, achou que seria uma atitude de prudência a sua partida.
    Despediu-se dos amigos e, na madrugada seguinte, procurou a estrada que o levaria para longe da cidade.
    Não se afastara muito, quando o Sol começou a romper a bruma, colorindo e iluminando o dia.
    Subitamente, caminhando em sentido contrário ao seu, o apóstolo divisou o Mestre que se aproximava.
    Surpreso, parou, ansiando pelo afetuoso abraço do Amigo que, parecendo não o ver, seguiu adiante.
    Não sopitando o desencanto, o companheiro angustiado voltou-se e
    inquiriu:
    - Para onde ides, Senhor?
    A resposta foi imediata e significativa:
    - Vou a Roma, Pedro, morrer com os meus discípulos.
    Narra a bela tradição, que o apóstolo, comovido e consciente do sacrifício, retornou à cidade, prosseguindo no ministério com devotamento total até à imolação libertadora.
    A fidelidade a um ideal exige o sacrifício do idealista.
    Reconhece-se a excelência de um ideal pelas reações que provoca e pela
    firmeza tranqüila de quem o apresenta.
    A consciência da imortalidade arma o indivíduo com resistências para suportar e vencer as vicissitudes, reagindo através da integral vivência dos postulados que abraça.
    Especificamente, o ideal cristão se expressa através dos valores nobres que exornam quem o vivencia.
    Vive no mundo, mas não pertence ao mundo.
    Usa os recursos do mundo, sem a eles escravizar-se.
    Sofre os impositivos da evolução, não afligindo a ninguém.
    Compreende os erros do próximo, no entanto, esmera-se para refletir a
    conduta mais correta.
    Resgata débitos, evitando tombar em novas dívidas.
    Quando insultado, desculpa; se agredido, perdoa; sob perseguição permanece com integridade.
    Não se despersonaliza, identificando-se como alguém que teme e se submete a tudo.
    Pelo contrário, é um homem definido, resistente, que sabe o que quer e como consegui-lo, programando-se para o tentame feliz.
    Ante a incoerência de atitude e a debandada do dever a que se entregam
    muitos discípulos modernos do Evangelho, permanece tu, doando-te e confiando.
    Fazendo-se necessários maiores sacrifícios, doa-te mais e mais confia, de modo que, num certo amanhecer da tua vida, possas encontrar o Mestre, que te indagará.
    - Donde vens, meu filho?
    E possas responder, em júbilo:
    - Do mundo, Senhor, onde dei a vida com os Teus discípulos por amor de Ti.


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens