A Conselheira Invigilante

    À frente da amiga alarmada, Dona Deodata Chagas prosseguiu aconselhando:

    – Não deves proceder levianamente. É necessário aprender a tolerância, minha irmã. Ignoras, acaso, os princípios da nossa dor'>consoladora doutrina? Quantas criaturas se perdem diariamente, por ignorância das verdades que Jesus nos confia?

    – Mas – perguntava a interpelada timidamente –, e meu martírio doméstico? Será justo suportar a perseguição de pessoas sem consciência? Meu marido parece olvidar comezinhos deveres do homem de bem.

    – E por que não perdoar ao pobrezinho? – atalhava a outra, firme e resoluta. – Não dês ouvidos a intrigas, nem te detenhas na observação do mal, ainda mesmo quando se positivem as tuas desconfianças. Lembra o perdão evangélico, minha boa Cacilda. Esquece a infelicidade dos espíritos inferiores que te não podem compreender. Além disso, convém não esqueceres que o ciúme é o monstro insaciável. Foge-lhe às garras enquanto é tempo. Afinal de contas, a esposa e mãe precisa fortaleza e serenidade. 

    A ouvinte enxugava o pranto copioso, mostrava-se mais calma e despedia-se resignada, recebendo novos apelos da amiga solícita.

    Deodata Chagas era sempre assim. Dona de maravilhosos recursos verbais, tinha imensa facilidade para dar conselhos. Ninguém conseguia ausentar-se de sua porta, sem um punhado de exortações.

    Era interessante observar, porém, que seu espírito se revelava sumamente despreocupado do próprio lar. Os filhos menores viviam habitualmente à gandaia, sem qualquer expressão de vigilância materna. A genitora nunca examinou o problema dos seus costumes, conversações e companhias. O esposo, Edmundo Chagas, homem do comércio, chegava a casa a horas determinadas, durante o dia; mas, não raro, ao almoço, Dona Deodata permanecia na sala de visitas a esboçar orientações para as amigas desesperadas.

    – Germana, não posso compreender-te a exaltação descabida. Não te deixes dominar tanto assim.

    – E os filhos, Deodata? – inquiria Dona Germana, olhos inchados de chorar. – São eles o motivo de meus sofrimentos invariáveis. Nos tempos de hoje, raríssimos consideram deveres, poucos se dispõem a obedecer.

    – Entendo-te – replicava a conselheira, revelando forte interesse –, entretanto, é imprescindível renovar energias próprias. Ninguém se entregará à dor sem prejuízos graves. Reanima-te! Que é isso?

    Enquanto a amiga soluçava, prosseguia traçando diretrizes, demonstrando valor e superioridade:

    – E a ? Onde colocaste os ensinamentos recebidos?

    O chefe da casa, após consultar a mesa deserta, onde se não reconhecia o mínimo sinal de almoço, observava, neurastênico, o colóquio amistoso da sala, enterrava o chapéu na cabeça e voltava à rua, encaminhando-se à pensão da esquina próxima.

    Somente muito depois, erguia-se Deodata para atender às crianças famintas.

    A noite, frequentemente, de regresso ao lar, ansioso de aconchego doméstico, o chefe da família encontrava a mesma cena, embora a modificação de personagens.

    A esposa continuava aconselhando:

    – Dona Lisota, a vida pede a sua compreensão e boa-vontade. Desaprovo a sua atitude de inconformação aos desígnios do Eterno.

    Dessa vez, era uma velhinha de cabelos brancos que considerava, chorando:

    – Nunca esperei, no entanto, por isto... meu único amigo morreu. Os filhos desprezaram-me, os parentes relegaram-me ao abandono!...

    – Todavia – exclamava Deodata sempre disposta a ensinar – é preciso revelar coragem na luta. Guarde intacta a sua confiança em Deus. Tenha . É indispensável atender à vontade superior e não à nossa. Presentemente, não posso concordar com seu modo de agir.

    Enquanto a anciã fazia o possível por levantar-se do abatimento doloroso, a conselheira rematava:

    – E a , minha amiga? Onde coloca você tão imenso tesouro? Já pensou nisso? O crente não deve respirar outra atmosfera que não seja a do otimismo sadio e franco.

    Edmundo relanceava o olhar pelo interior, reconhecendo a inutilidade de qualquer chamamento afetivo. A companheira tornara o hábito de aconselhar, qual se fora venenoso excesso do espírito, tal a insistência com que desejava regenerar pessoas, reavivar as forças alheias, consertar o mundo, enfim. Muitas vezes, tentara arrancá-la de semelhante situação, mas todo o esforço redundara inútil. Mergulhado em amargas reflexões, Edmundo percebia que os rapazes se entregavam a terríveis disputas na copa e, desanimado, entristecido, tornava à rua sem esperança. Aos poucos, adquiriu o costume de beber, coisa que nunca lhe ocorrera em tempo algum. Sem forças para corrigir o desentendimento da companheira, sufocava no copo as desditas do coração.

    Dona Deodata parecia não perceber o curso dos acontecimentos e mantinha a mesma atitude mental.

    Almas desesperadas, ociosas e viciosas, batiam-lhe à porta em onda crescente.

    – Por que tão grandes demonstrações de amargura? – exclamava para a inquieta visitante de bairro longínquo. – Não posso justificar o teu desânimo.

    A interpelada, revelando os profundos padecimentos que lhe roíam a alma, observava aflita:

    – Quando o marido nos abandona, tudo parece escuro em nossos caminhos. A senhora é feliz, Dona Deodata. Nunca experimentou sofrimento igual a este.

    Não posso conformar-me com a separação!...

    É preciso, porém, perdoar e ser forte – interpunha a conselheira, imperturbável –, estamos neste mundo para testemunhar espiritualidade na procura de Deus. Pareces demasiadamente enfraquecida no trabalho comum. Levanta o ânimo. Resiste! Não te deixes levar por arremedos de tempestade.

    Despedia-se a infeliz, reconhecidamente.

    Chegou, entretanto, o momento em que Deodata Chagas deveria tomar conhecimento da sua própria situação. Depois de alguns dias, nos quais supunha o marido em viagem de serviço, veio a saber que Edmundo montara nova casa em bairro distante. O álcool trouxera-lhe o olvido de obrigações sagradas. O bar incumbira-se de conduzi-lo a relações diferentes, e, com a embriaguez dos sentidos, veio a embriaguez dos sentimentos.

    A senhora Chagas, contudo, sempre eficiente na orientação dos outros, recebeu a noticia sem ocultar a mágoa imensa. Aquela alma tão forte e tão clara, que sabia traçar os caminhos alheios, semelhava-se agora a um lago turvo, em face das pedras da tempestade e das rajadas do vento. Humilhada, chorosa, procurou os filhos para torná-los participes da sua profunda revolta; entretanto, encontrou neles as mais ásperas observações.

    Alguns estavam dispostos a seguir, sem hesitação, para a nova casa paterna. Inconformada, a pobre senhora buscou os recursos da justiça do mundo, mas, a cada passo, encontrava a ironia, o desprezo, o desconhecimento deliberado de sua dor.

    Incapaz de manter a resistência necessária, surda agora aos apelos que as amigas lhe traziam ao espírito desalentado, Deodata recolheu-se ao leito, dominada de traumatismo singular, que lhe envenenou o organismo para sempre.

    Depois de três anos de reclusão, entre meditações e lágrimas, voltou novamente ao plano espiritual. Com surpresa, todavia, experimentava o mesmo abatimento e desolação. Embora atendida por dedicados enfermeiros da esfera invisível aos olhos mortais, a desencarnada, por muito tempo, permaneceu enleada no fundo obscuro de suas impressões de amargura e revolta íntima. Chegou, porém, o instante em que conseguiu lobrigar o vulto de um daqueles emissários do bem, que lhe balsamizavam o coração. Extenuada de angústia no conflito consigo mesma, a pobre criatura ajoelhou-se e rogou ansiosa:

    – Oh! mensageiro de Deus, explicai-me por piedade a razão de minhas enormes desditas. Sinto-me cansada, oprimida... Por que a dolorosa tragédia que me destruiu o destino cheio de esperanças?

    O benfeitor contemplou-a com expressão fraternal e elucidou amorosamente:

    – O drama infeliz da tua última experiência na Terra é o das almas que transportam a luz por fora do coração. Os que ensinam sem aprender, e aconselham sem praticar, são também filhos pródigos na Casa do Pai. Dissipam tesouros espirituais sem cogitar das necessidades próprias e acordam, mais cedo ou mais tarde, com a miséria e o desconforto.

    Deodata compreendeu o alcance profundo daquelas palavras, mas, desejosa de lavar a culpa, objetou:

    – Será, então, erro grave ensinar o caminho aos outros? E Jesus? Não trabalhou o Mestre no mundo por traçar diretrizes ao homem sofredor?

    O amigo espiritual contemplou-a afetuosamente e respondeu:

    – Jesus indicou a estrada e seguiu-a; pregou a e viveu-a ; induziu discípulos e companheiros à coragem e demonstrou-a em si mesmo; difundiu a lição do amor, entregando-se amorosamente a cada um, expôs a necessidade do sacrifício pessoal e sacrificou-se; exaltou a beleza do verbo dar e deu sem recompensa ; engrandeceu a confiança no Pai e foi fiel até o fim.

    A esposa de Edmundo estava perplexa. E, quando se esforçou por emitir observação nova, o sábio instrutor sorriu carinhosamente e concluiu:

    – Renova o padrão de esperança em Jesus - Cristo e não argumentes com a verdade. O campo continua repleto de trabalho e continuamos ricos de possibilidades.

    Realmente, não constitui erro o indicar o caminho ao que se desviou, porque o benefício é sempre um tesouro para quem o recebe com sabedoria; mas, quanto a nós mesmos, é sempre perigoso aconselhar os outros antes de havermos aconselhado a nós próprios.


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens