Paciência e Natureza

    Quem se proponha a entesourar paciência, observe o livro da natureza.

    As nossas anotações podem parecer sinônimos do óbvio, no entanto, o óbvio, por ser simples, é aquilo que se faz, habitualmente, mais difícil de ser pesquisado e revisto.

    Ao Sol, por exemplo, dentro da noite, em determinado hemisrio, por mais se lhe peça luz plena e imediata, há que se lhe aguardar o reaparecimento, depois de algumas horas.

    Inútil rogar o fruto de certa árvore até o momento em que lhe será lícito surgir.

    Uma estrada, entre duas cidades razoavelmente distanciadas uma da outra não se constrói a toques de mágica.

    Sabe-se que o carbono puro suporta séculos e séculos de transformações lentas, no sub-solo, antes de converter-se em brilhante.

    Considerando que o espírito de seqüência assinala todas as criações da vida, a impaciência, muitas vezes suscitando irritação e inquietude, cólera e delinqüência, decorre de nossa própria incapacidade de entendimento, acerca de situações e pessoas.

    Não solicitarás atitudes de elevação daqueles que ainda não assimilaram os ingredientes espirituais indispensáveis para constituí-las e nem pedirás alto comportamento nesse ou aquele companheiro que ainda não se habilitaram para isso.

    Onde estiveres e com quem estiveres, não permitas que as tuas esperanças se façam exigências.

    Ama e trabalha, serve e auxilia sempre sem reclamar e acabarás compreendendo que a paciência construtiva, fonte de serenidade e tolerância, em qualquer tempo e lugar, para cada um de nós é simples obrigação.


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens