Criatividade ou Rebeldia

    Fizeram-me, esta pergunta, outro dia, junto à perspectiva de um desafio. O que é melhor para o jovem espírita: ser um rebelde ou ser alguém criativo, interessado em educar seus anseios diante do mundo, porém sem perder a gana e a vontade de mexer nas estruturas possíveis dentro de seu tempo histórico?

    Excelente proposta de reflexão. Mas, vamos pensar um pouco mais... quem sabe alteramos o rumo da reflexão. Parece-me que a oposição apresentada entro rebeldia e criatividade não se sustenta por muito tempo, diante de uma análise mais consistente.

    Não vejo os dois aspectos como excludentes, dicotômicos. Entendo exatamente o contrário. Dependendo da forma como se analisa, a rebeldia é precisamente o elemento que permite ao homem expressar, rio máximo de suas alternativas, a criatividade que deve marcar sua, presença no mundo.

    Rebelar-se é ter a capacidade de lutar contra a injustiça. É uma qualidade distintiva dos seres humanos, O rebelde defende uma visão da vida e da sociedade, profundamente convencido da importância dessa visão para si e seus companheiros. Ao pensar e agir dessa forma, ele acaba por sacudir os costumes estabelecidos o a ordem rígida de seu meio. Refiro-me, neste trabalho, ao rebelde, e não ao revolucionário. Este luta mais pelo poder, num esforço muitas vezes externo a suas próprias necessidades de transformação pessoal. O rebelde, não. Ele não busca o poder como um fim em si, demonstra, inclusive, pouca disposição em usá-lo; é propenso a repartir o seu poder.

    Conforme explica Rollo, May*, em uma análise da relação complexa entre opressão e liberdade, o escravo que mata o seu amo é um exemplo de revolucionário. Outros acabarão por tentar matá-lo, em busca do poder que ele acabou amealhando. O rebelde faz diferente - percebe que seu amo é tão escravo quanto ele, rebela-se, pois, contra o sistema que permite a existência de escravos e senhores. A sua rebelião, desta forma, se for coroada de êxito, acaba por salvá-lo e também a seu amo, da indignidade de possuir escravos.

    É por isso que temos em nosso favor a admiração e o respeito por grandes rebeldes, que marcaram a história com soas atitudes de inconformismo o desejo inarredável de mudança definitiva das estruturas arcaicas e ultrapassadas.

    Jesus, modelo e guia da humanidade, é o rebelde por excelência. Ouvistes o que foi dito... afirmava o Senhor, reconhecendo a importância da Lei antiga, mas ao sentenciar vos digo, o Mestre proponha a superação (pacífica, diga-se de passagem), dos modelos antigos de interação social e a adoção do amor como elemento fundamental para as novas relações entre os homens.

    Sócrates não fugiu também da necessidade de rebelar-se contra a estrutura e a estabilidade social de sua época, 400 anos antes de Jesus. Ao negar a fuga aos amigos que lhe traziam a chance de deixar a cadeia, após ter sido condenado como corruptor da juventude, o filósofo grego optou por permanecer sem liberdade externa, porém com independência e fidelidade interna aos ideais. Foi por esse ato de libertadora rebeldia que, elo provou â Humanidade que seus valores eram universais e não se aplicavam somente a si, mas também aos outros, inclusive seus inimigos.

    É por isso que o rebelde tem como característica essencial a capacidade para transcender seu próprio orgulho ferido. Ele despreza a vingança pessoal; não alimenta sentimentos de rejeição; não encontra justificativa ética para imaginar-se no direito de exigir vingança. Ele, aliás, não tem nem tempo para isso, empenhado que está em identificar-se com as pessoas que sofrem, profundamente necessitadas de seu apoio, força esta que pode aliviar-lhes o sofrimento.

    Voltemos à pergunta inicial. O que é melhor, rebeldia ou criatividade? Que tal optarmos pelas duas! Combinadas com equilíbrio e bom senso, cremos que elas podem fazer do jovem espírita um ser com o sangue fervoroso de um trabalhador, inconformado com o apego a tudo o que retrata o homem velho e as paixões do passado, e, ao mesmo tempo, uma criatura que reconhece valor até na própria autoridade contra a qual luta. Necessitamos da autoridade na medida em que nos rebelamos contra ela. Isto não acontece em nossos lares, quando revoltamo-nos contra nossos pais, ao mesmo tempo em que os amamos?

    O fio suave, em que, se revela a harmonia intima, nasce encontro sereno da rebeldia bem compreendida (muito clara em artistas - rebeldes e criativos: por natureza), com a obediência implícita à ordem natural das coisas, onde reina a paz de Deus.

    Em suma, é, fundamental rebelarmo-nos com nobreza e maturidade de coração contra o que precisa ser transformado, para nossa felicidade pessoal e coletiva, a fim de adaptarmo-nos definitivamente à transparência calma e cristalina da Lei de Amor.


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens