Parnaso de além-túmulo: 90 anos de um eterno marco

Dia 6 de julho completam-se 90 anos da primeira edição de Parnaso de além-túmulo. À época, a Federação Espírita Brasileira publicava uma obra que marcaria o tempo e a história. Escrita por um até então desconhecido rapaz de apenas 22 anos de idade, de Minas Gerais, e que sequer concluíra o ensino fundamental, Parnaso de além-túmulo trazia poemas assinados por grandes nomes da língua portuguesa. Generosamente, abriram-se as portas para o grande médium de Pedro Leopoldo.

Marco na história da Humanidade, a coletânea hoje reúne 259 textos ditados por 56 poetas brasileiros e portugueses. Mais do que uma primorosa obra, Parnaso simboliza o início da extraordinária jornada de Francisco Cândido Xavier como instrumento de Jesus na Terra.

Trabalho de estreia do médium, Parnaso de além-túmulo foi um livro-monumento, construído ao longo de 40 anos.

Desde a 1ª edição, em 1932, até a 6ª edição, em 1955, somaram-se poetas e produções literárias. Mas foi somente na 9ª edição, em 1972, comemorativa dos 40 anos da 1ª edição, que o conteúdo de Parnaso tornou-se definitivo. O trabalho passa a trazer as notas e os estudos estilísticos de Elias Barbosa, que analisa os textos dos poetas mortos com quando eram vivos.

Da zombaria à redenção: a história de Humberto de Campos e o Parnaso
Um dos muitos intelectuais a conhecerem o livro foi o famoso cronista Humberto de Campos, que, à época, não soube compreender o real valor da obra. Escritor reconhecido e cronista admirado, publicou, em um dos principais jornais brasileiros daquele tempo, o Diário Carioca, críticas neutras, irreverentes e com toques de ironia:

“O primeiro pensamento que assalta o leitor, antes de examinar o merecimento literário da obra, é a ideia de que, nem no outro mundo, estará livre dos poetas. […] A superioridade que esta vida apresenta sobre as outras está, precisamente, no seu caráter transitório. […] E é esse consolo que não têm os habitantes do Astral, os quais se acham condenados a escutar os maus poetas até a consumação dos séculos.

[…] Por enquanto eu quero apenas pôr de sobreaviso os poetas vivos contra o perigo que a todos nos ameaça com a ideia que tiveram os mortos de voltar a escrever neste mundo em boa hora abandonado por eles. Se eles voltam a nos fazer concorrência com os seus versos perante o público e, sobretudo, perante os editores, dispensando-lhes o pagamento de direitos autorais, que destino terão os vivos que lutam, hoje, com tantas e tão poderosas dificuldades?”

(Diário Carioca, 10 de julho de 1932, p. 1 e 4).

A retratação, porém, não demoraria. Desencarnado em dezembro de 1934, Humberto transmitiria, ao longo de dois anos, mensagens que seriam compiladas em seu livro de estreia, publicado em 1937: Crônicas de além-túmulo, em clara referência e justa homenagem ao Parnaso de além-túmulo.

Sobre o Parnaso, o autor espiritual diria, na introdução de seu mencionado primeiro livro: “sua literatura fascinava o meu pensamento com o magnetismo suave da esperança, mas a fé não conseguia florescer no meu coração triste, sepultado nas experiências difíceis e dolorosas”.

Nessa mesma obra, ele diria, em carta à sua mãe, àquele tempo encarnada:

“A mão que me serve de porta-caneta é a mão cansada de um homem paupérrimo, que trabalhou o dia inteiro buscando o pão amargo e cotidiano dos que lutam e sofrem. […] O telhado sem forro deixa passar a ventania lamentosa da noite e desse remanso humilde, no qual a pobreza se esconde exausta e desalentada, eu te escrevo sem insônias e sem fadigas, para contar-te que ainda estou vivendo para amar e querer a mais nobre das mães.”

(Crônicas de além-túmulo, cap. 34 – Carta a minha mãe)

Era a realidade daquelas mãos simples e amorosas que psicografariam mais de 400 livros e inúmeras cartas que instruíram e consolaram multidões de corações aflitos e de mentes sedentas de luz.

Na 2ª edição do clássico de Chico, publicada em 1935, o Espírito Humberto de Campos escreveria uma introdução que passaria a compor a obra:

“Nas minhas atuais condições de vida, tenho de destoar da opinião que já expendi nas contingências da carne. […] ‘Parnaso de além-túmulo’ sairá de novo, como a mensagem harmoniosa dos poetas que amaram e sofreram. […] Todos aí estão, dentro das suas características. Os mortos falam e a Humanidade está ansiosa, aguardando a sua palavra.”

Ao todo, 13 livros psicografados por Chico e numerosas crônicas de Humberto, esparsas em obras diversas, foram editadas pela FEB.

Parnaso de além-túmulo, os livros de Humberto de Campos e centenas de obras psicografadas por Chico Xavier podem ser adquiridas no site FEBeditora.com.br. Leia também em formato digital, nas plataformas da Amazon, Apple Store, Google Play e Tocalivros.


Acesse o cartaz do evento e ajude a divulgar: Clique Aqui

6/7/2022

Notícia Anterior | Posterior

Datas Importantes do Espiritismo

AGOSTO

Dia 01 de 1865
Em Paris, França, Allan Kardec lança O céu e o inferno, quarta obra da Codificação Espírita.
Dia 01 de 1873
Em Londres, Inglaterra, desencarna David Bedlbrook, Presidente da Federação Espírita Internacional e Diretor do Jornal The Fraternally.
Dia 01 de 1947
Fundado o Centro Espírita Luz do Céu, Luz Eterna, em Curitiba, Paraná. Denominação alterada em 1965 para Centro Espírita Luz Eterna.
Dia 01 de 2006
Desencarna em Castro, Paraná, Boanerges Vieira que serviu ao Movimento Espírita por 52 anos, naquela cidade. Nascido em 14 de maio de 1920, na cidade de Campinas, São Paulo.
Dia 02 de 1873
Fundado o Grupo Confúcius, na residência de Francisco Siqueira Dias Sobrinho, sendo o primeiro grupo Espírita do Rio de Janeiro, tendo entre os participantes Bittencourt Sampaio.
Dia 03 de 1889
Em Nova York, EUA, desencarna a médium e escritora Emma Hardinge Britten. Nasce em Londres, Inglaterra, em 14 de junho de 1829.
Dia 03 de 1951
Em Goiânia, Goiás, fundada a Federação Espírita do Estado de Goiás.
Dia 04 de 1918
Nasce em Mallet, PR, Guaracy Paraná Vieira. Foi membro do Conselho Federativo da Federação Espírita do Paraná e um de seus vice-presidentes. Desencarna em 18 de junho de 1991, em Curitiba, PR.
... Saiba mais...