Os médicos deveriam orar mais pelos seus pacientes e antes de qualquer procedimento técnico!

Gilson Luís Roberto, médico com formação em Psicologia Analítica Junguiana e Homeopatia e presidente da Associação Médico-Espírita do Rio Grande do Sul, falando da espiritualização no atendimento hospitalar:

Folha Espírita - O aspecto espiritual é levado em conta com pacientes internados?
Gilson Luís Roberto - Na maioria dos pacientes internados o aspecto espiritual é negligenciado, exatamente no momento em que essas necessidades são maiores, quando o paciente sente-se ameaçado e inseguro, onde reflexões como morte, castigo divino, culpas, necessidade de recolhimento e oração, entre outras, surgem com mais força requisitando maior atenção e um olhar cuidadoso para esses aspectos.

FE - Por que esse fator é importante para o paciente? Em quais circunstâncias?
Roberto - A espiritualidade faz parte do psiquismo humano, necessitando da mesma atenção que se dá à saúde corporal e aos demais aspectos psíquicos como a inteligência e a sexualidade.
A humanização do atendimento médico-hospitalar, baseado no respeito ao paciente, deve contemplar todas as suas necessidades físicas, emocionais, sociais e espirituais, que não estão dissociadas, favorecendo uma recuperação mais rápida e um atendimento mais humano.
Como a espiritualidade é algo inerente ao psiquismo humano, em qualquer ocasião cabe o olhar respeitoso e atencioso do fator espiritual, principalmente nos momentos de desesperança e insegurança provocados pela doença e pela solidão.

FE - A espiritualidade ajuda na recuperação do paciente internado?
Roberto - Sem dúvida! Tanto a espiritualidade intrínseca como a espiritualidade extrínseca.
A pessoa espiritualizada, que busca desenvolver a sua religiosidade através de uma prática espiritual sincera e verdadeira, por si só apresenta grandes vantagens na forma como enfrenta e administra suas dificuldades, ensejando uma atitude de profunda fé e calma perante os percalços da vida física. Isso é um verdadeiro antídoto contra o estresse, a loucura e o desespero. Além disso, as pesquisas médicas demonstram que práticas como a oração e a meditação fortalecem o sistema imunológico, favorecem a recuperação do paciente, diminuam o uso de anestésico e aceleram a cicatrização cirúrgica. Referente à espiritualidade extrínseca, poderíamos afirmar que a espiritualidade amiga está sempre presente, apoiando a nossa mais completa recuperação da saúde física e, principalmente, da saúde espiritual. Aí a importância da oração intercessória.
Infelizmente as nossas atitudes internas mais dificultam do que favorecem o auxílio da espiritualidade, que, mesmo assim, permanece presente em auxílio constante. Por isso a necessidade de nos voltarmos mais para os aspectos espirituais, favorecendo, assim, a nossa própria cura. O que observamos, na verdade, é a falta de ambiente e receptividade que favoreça a ação da espiritualidade. Tanto sobre os aspecto de despreparo do paciente quanto do médico.
Há se os médicos orassem mais pelos seu pacientes e antes de qualquer procedimento técnico!

FE - Como é espiritualizar e humanizar o atendimento?
Roberto - O processo de humanização é bastante amplo e complexo. Envolve a administração do hospital, o cuidado com os seus funcionários, passa pela preparação técnica e humana do profissional que presta o atendimento e acaba na forma como olhamos o paciente e seus familiares, buscando sempre uma visão integral e humana em cada um. Para realizarmos esse atendimento humanizado, necessariamente teremos que nos voltar para os aspectos espirituais, favorecendo a sua prática e dando espaço para que isso aconteça. Isso se refere tanto ao diálogo com o paciente sobre as suas crenças e assuntos que lhe preocupam ligado a espiritualidade (medo da morte, culpas etc.), como possibilitar prática de atividades espirituais que possam fortalecer sua fé e favorecer a sua recuperação, desde a oração e meditação até o toque terapêutico, que nós espíritas chamamos de passe ou imposição das mãos. Quem pretende explicar a existência dos hospitais como uma organização destinada apenas a tratar do corpo biológico se equivoca, cometendo uma redução. Ainda que nos hospitais a ênfase é a dada aos processos curativos que operam sobre o corpo biológico, eles mantêm sua condição de produto social e de espaço de trocas intersubjetivas. Trocas que acontecem diariamente e que envolvem o mundo interno de cada um e suas trocas com o mundo de fora. Em relação aos pacientes, a humanização envolve a disponibilidade do profissional em ouvi-los com a devida atenção, respeitando o que eles têm para nos dizer. Aliás, o termo respeitar vem do latim respectaire, que significa olhar de novo, olhar com mais atenção. Para que o sofrimento humano seja realmente atenuado e as percepções de dor ou de prazer sejam humanizadas, é preciso que as palavras que o sujeito expressa sejam reconhecidas pelo outro. Em outras palavras, humanizar é buscarmos a capacidade de nos relacionarmos uns com os outros, o que encontramos de uma forma plenificada nas palavras de Jesus em seu Evangelho, quando nos recomendou que amássemos uns aos outros como a si mesmo.

FE - Temos exemplos no Brasil? E no mundo?
Roberto - Hoje se fala muito em humanização no mundo todo. Nos cursos de pós-graduação é comum essa matéria estar presente. Aqui no Brasil o Ministério da Saúde instituiu em 2001 o Programa Nacional de Humanização da Assistência Hospitalar para a rede hospital do SUS. Entre as várias campanhas de humanização que existem salientamos o do parto humanizado, o do atendimento à criança de baixo peso e a campanha “Cuidar de quem Cuida”. Embora muitos hospitais no Brasil já tenham aderido ao programa do Ministério da Saúde, ainda é grande a dificuldade de se implantar a humanização hospitalar, que esbarra na falta de uma cultura interna sobre o assunto e no pouco envolvimento dos médicos. No Hospital Espírita de Porto Alegre iniciamos um projeto de humanização hospitalar que contempla o atendimento espiritual, através da Evangelhoterapia, palestras doutrinárias e fluidoterapia, aos funcionários, pacientes e familiares.

Folha Espírita entrevistou o Dr. Gilson Luís Roberto (Presidente da AME-RS), homeopata

(matéria publicada na Folha Espírita em setembro de 2005)

A+ | A- | Notícia Anterior | Posterior

Datas Importantes do Espiritismo

OUTUBRO

Dia 01 de 1923
Em 1923, em Buenos Aires, Argentina, fundação da revista La Idea, por Angel Scarnichia.
Dia 01 de 1946
Em 1946, desencarna em Belo Horizonte, Minas Gerais, Irma de Castro Rocha, conhecida no Movimento Espírita como Meimei. Nascida em Mateus Leme, Minas Gerais a 22 de outubro de 1922.
Dia 01 de 1990
Em 1990, Divaldo Pereira Franco concede entrevista de 10 minutos à TV MNE Portuguese, em Johannesburg, África.
Dia 01 de 1994
Em 1994, Divaldo Pereira Franco recebe o título de cidadão honorário de Ilhéus, Bahia.
Dia 01 de 2003
Em 2003, é criado o Momento em Casa, oferecendo a possibilidade de receber, aos que se cadastrem através do site do Momento Espírita, de segunda a sexta, de 3 a 4 textos, selecionados a partir dos transmitidos, na semana, através das Rádios, na Capital do Estado.
Dia 02 de 1860
Em 1860, nasce em Ayerbe, província de Huesca na Espanha, Angel Aguarod. Desencarna em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, em 13 de novembro de 1932.
Dia 02 de 1870
Em 1870, nasce na cidade de Palmeira, PR, o professor José Nogueira dos Santos, que foi o sexto Presidente da Federação Espírita do Paraná. Desencarna em Curitiba, no dia 24 de julho de 1956.
Dia 02 de 1920
Em 1920, em Paraíba do Sul, Rio de ... Saiba mais...