A+ | A- | Imprimir | Ouça a MSG | Ant | Post

Asserena-te e vara a desventura
No caminho de dor, áspero e azedo;
Serenidade – o lúcido segredo
Em que a vida se eleva e transfigura.

Tudo cresce na força da brandura.
A água desgasta os punhos do rochedo;
Olha a chuva cantando no arvoredo,
A transfundir-se em pão, bondosa e pura.

De coração batido e lodo à face,
Inda que o fel da injúria te traspasse,
Semeia o bem que as mágoas alivia...

Mesmo trazendo o peito por cratera,
Suporta, ampara e crê, ajuda e espera,
Que amanhã será sempre novo dia.


Por: Andradina América de Andrada e Oliveira, Do livro: Antologia dos Imortais, Médium: Francisco Cândido Xavier


Leia Também:

A Brandura: por Andradina América de Andrada e Oliveira
Energia e Brandura: por Emmanuel
Afabilidade e Doçura: por Emmanuel

Avalie Esssa MSG

8 Voto(s) 0 Voto(s)

Comentários