Fazer o Bem

    Anda em baixa, nos dias de hoje, o fazer o bem. Queixam-se as pessoas que se faz o bem, se auxilia a outrem mas só se recebe em troca ingratidão.
    Esta é uma estranha maneira de pensar. Afinal de contas, fazer o bem não deve jamais ter como objetivo o reconhecimento.
    Se Jesus tivesse cogitado ou ainda cogitasse de receber agradecimentos pelo bem que realizou e ainda realiza para os homens, jamais teríamos recebido a mensagem do evangelho nem sua devotada assistência.
    Desejar o reconhecimento do outro pelo bem que faz não deixa de ser uma forma de cobrança.
    E nós sabemos que a prática do bem deve ser desinteressada, mas quem o pratica sempre se beneficia em primeiro lugar.
    Para ilustrar essa questão, vamos narrar um fato verídico.
    É a história de uma família rica, que foi passar um fim de semana em uma bela propriedade. A família era a do Lord Churchill.
    As crianças se divertiam numa deliciosa piscina. No último dia, ocorreu uma tragédia. O menino menor caiu n'agua e quase afundou. As outras crianças começaram a gritar.
    Tentavam alcançar com as mãos o pequeno, que se afogava. Mas não conseguiam. Por fim, o filho do jardineiro, ouviu os gritos e saltou na piscina, retirando dali o garoto.
    Quando o pai ouviu a história, ficou muito agradecido. Ele se dirigiu ao jardineiro, o senhor Fleming e lhe perguntou o que poderia fazer por ele. "Afinal", disse, "o seu filho salvou a vida do meu filho."
    O jardineiro, no entanto, disse que não havia necessidade de fazer coisa alguma. O seu filho fizera o que qualquer outro faria.
    O pai do pequeno Winston Churchill insistiu: "mas eu preciso fazer alguma coisa pelo seu filho. O que ele gostaria?"
    Bem, respondeu o Sr. Fleming, desde que aprendeu a falar, tem manifestado o desejo de ser um médico.
    O homem agradecido estendeu a mão ao senhor Fleming e garantiu: seu filho freqüentará a melhor escola de medicina da Inglaterra. E sustentou a palavra.
    Anos depois, o mundo foi sacudido com a notícia de que Churchill, o estadista conhecido como o maior inglês de todos os tempos, estava doente com pneumonia, em Teerã.
    Os meios de comunicação com a Inglaterra transmitiram por toda a nação, o desejo de que o melhor médico do império britânico tomasse um avião para Teerã e assistisse ao primeiro ministro.
    Esse médico foi o Dr. Fleming, o descobridor da penicilina. Os seus esforços foram coroados de êxito. Mais tarde, recuperado, Winston Churchill, declarou: "não é sempre que o homem tem a oportunidade de agradecer ao mesmo homem por haver-lhe salvo a vida duas vezes."
    O pequeno Fleming, que havia salvo a vida do pequeno Churchill, quando se afogava numa piscina, tornou-se o dr. Fleming, que de novo lhe salvou a vida.
    O pai de Winston Churchill, jamais poderia ter imaginado que ao dar a Alexander Fleming, a oportunidade de estudar na melhor escola de medicina da Inglaterra, estava provendo o meio de salvar a vida do seu filho, pela segunda vez, através do mesmo homem.
    Além disso, sua gratidão para o menino que salvara a vida do seu filho, valeu para o mundo a possibilidade de uma mente brilhante se graduar em medicina.
    Depois dedicar-se ativamente a pesquisas de laboratório, no campo da bacteriologia e legar para a humanidade a possibilidade da cura de numerosas infecções.
    É pensando em situações como essa, que percebemos que o bem sempre faz bem a quem o pratica. Gratifica a alma e retorna em forma de bênçãos para a criatura."
    Você sabia?
    Que Alexander Fleming era de origem escocesa e que recebeu o Prêmio Nobel de medicina no ano 1945?
    E que em 1928 descobriu a penicilina?
    A penicilina abriu, para o mundo, a era dos antibióticos, que representa uma das mais importantes conquistas médicas e sociais.


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens