Tempo da Regra Áurea

    Faremos hoje o bem a que aspiramos receber.

    Alimentaremos para com os semelhantes o sentimentos que esperamos alimentem eles para conosco.

    Pensaremos acerca do próximo somente aquilo que estimamos pense o próximo quanto a nós.

    Falarmos as palavras que gostaríamos de ouvir.

    Retificaremos em nós tudo o que nos desagrade nos outros.

    Respeitaremos a tarefa do companheiro como aguardamos respeito para a responsabilidade que nos pesa nos ombros.

    Consideraremos o tempo, o trabalho, a opinião e a família do vizinho tão preciosos quanto os nossos.

    Auxiliaremos sem perguntar, lembrando como ficamos felizes ao sermos auxiliados sem que nos dirijam perguntas.

    Amparemos as vítimas do mal com a bondade que contamos receber em nossas quedas, sem estimular o mal e sem esquecer a fidelidade à prática do bem.

    Trabalharemos e serviremos nos moldes que reclamamos do esforço alheio.

    Desculparemos incondicionalmente as ofensas endereçadas no mesmo padrão de confiança dentro do qual aguardamos as desculpas daqueles a quem porventura tenhamos ofendido.

    Conservaremos o nosso dever em linha reta e nobre, tanto quanto desejamos retidão e limpeza nas obrigações daqueles que nos cercam.

    Usaremos paciência e sinceridade para com os nossos irmãos, na medida com que esperamos de todos eles paciência e sinceridade, junto de nós.

    Faremos, enfim, aos outros o que desejamos os outros nos façam.

    Para que o amor não enlouqueça em paixão e para que a justiça não se desmande em despotismo, agiremos persuadidos de que o tempo da regra áurea, em todas as situações, agora ou no futuro, será sempre hoje.

    E - Cap.XVIII - Item 5


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens