Uma Colheita Inesperada

    Numa escola rural, os estudantes consistiam exclusivamente de crianças pobres.
    Depois que as crianças tinham terminado com sucesso a leitura de um livro, foram recompensadas lhes sendo permitido levar livro, fita cassete e um walkman para casa durante o fim de semana.
    Acreditava-se que isto daria um reforço adicional à aprendizagem. Quando chegou a sexta-feira, Nicole deixou a escola, levando um livro, a fita e o walkman. O acordo era que as crianças retornariam, na segunda-feira, com tudo o que levara para casa.
    Na segunda-feira, Nicole não trouxe o livro nem a fita de volta à escola. Todo dia ela dizia que se esquecera ou sequer dava uma desculpa. A professora sabia que isto não era normal em se tratando de Nicole. Algo estava errado.
    Três semanas se passaram. E nada do livro ou da fita!
    Então, um dia, a jovem mãe de Nicole - vestida em uniforme de garçonete - veio à escola. Disse a secretária da escola que queria falar com a professora de leitura, do lado de fora da escola.
    Com compreensível apreensão, a professora foi encontrar-se com a mãe de Nicole. A mãe, agarrada ao livro, fita e walkman, disse à professora que queria explicar porque Nicole não tinha devolvido o material como combinado. Nicole não podia ser responsabilizada; ela era a responsável.
    Estava claro para a professora todo o desconforto sentido pela mãe de Nicole tentando dizer exatamente porque tinha ficado tanto tempo sem trazer de volta os materiais de leitura.
    Seguiu-se um longo e incômodo silêncio, a professora esperou.
    As primeiras palavras vieram a duras penas. Então de repente, a mãe, parecendo ter encontrado sua zona de conforto, começou a contar sua história:
    - Quando Nicole chegou em casa e disse que estava aprendendo a ler, eu não acreditei. Ninguém em minha família sabe ler. Meus pais não sabem ler. Meus irmãos e irmãs não sabem ler. E eu não sabia ler!
    E continuou:
    - Quando Nicole trouxe este livro e leu para mim, eu lhe perguntei: "Como você aprendeu isto?" e Nicole me respondeu: "É fácil, mãe. Eu apenas escuto a fita e acompanho no livro. Quando eu preciso, posso apenas escutar ou ler junto com a professora até que eu possa ler tudo sozinha. Você também pode fazê-lo, mãe!
    Engolindo em seco, continuou:
    - Eu não acreditei em Nicole. Mas eu sabia que eu tinha que tentar... A razão de Nicole não trazer o material de volta à escola era porque eu não podia deixar! Eu tinha que aprender a ler como minha menina.
    Houve uma curta pausa, então completou:
    - Posso ler para você?
    E lá na escola da sua criança, a jovem mãe, uma criança ainda quando teve a sua criança, começou a ler o livro para a professora.
    O tempo todo, lágrimas escorriam pela face da jovem.
    Em certo momento, a professora também se emocionou.
    Qualquer um que visse as duas certamente pensaria que algo trágico tinha acontecido.
    Quem poderia imaginar a razão daquelas lágrimas?
    A mãe de Nicole foi explicar que com a ajuda daquele livro ela tinha aprendido a ler!
    Não havia nenhuma necessidade de se exclamar aleluias!
    Já abundavam em cada palavra daquela mãe.
    Estavam expressos no semblante da confiança recentemente adquirida.
    Para a professora de Nicole, aquele parecia um momento sagrado; nenhuma palavra poderia expressá-lo.
    Admirada, sentou-se encantada com o efeito inesperado e involuntário do seu programa de leitura.
    Isto serviu como uma confirmação de porque fora educada para ensinar, e que coisas maravilhosas aconteciam e não era por acidente. Refletia que, ironicamente, o melhor benefício tinha sido o resultado nesta jovem mãe que não fazia parte de seus planos.
    Quebrando suas reflexões, a mãe anunciou que, apesar das dúvidas e graças à sua Nicole, tinha feito o que parecia impossível: tinha lido para a sua própria mãe, a Bíblia, na manhã de Natal!


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens