Fantasia e Realidade

    Embora seja o Centro Espírita sagrado instituto de iniciação espiritual, vezes inúmeras procuramos mais pela necessidade de ajuda que pelo desejo de aprender.

    É quando nos sentimos dominados pela depressão e indefinível sensação de mal-estar nos oprime; é quando dores não diagnosticáveis nos torturam e o desânimo nos sitia; enfim, é quando, segundo a terminologia espírita, somos visitados pela perturbação.

    Ao contacto do ambiente balsâmico, sob efeito da palavra amiga de dedicados orientadores, e experimentando o benefício do passe magnético, aplicado por especialistas do Além, sentimo-nos reanimados e regressamos ao lar qual se houvéramos recebido poderosa medicação estimulante — infelizmente mal assimilada, porque em breve recrudescem aqueles males, a nos distanciarem da tranqüilidade.

    É o nosso Carma! — dir-se-ia. Mas semelhante raciocínio nem sempre é admissível. Assim como o distúrbio da digestão é antes conseqüência do excesso alimentar do que sintoma de úlceras, nossas freqüentes perturbações refletem muito mais os desajustes do presente que o desastres do passado. Assim como a lutonaria'>glutonaria é fator de desequilíbrio orgânico, a intemperança mental é porta aberta para a invasão das sombras.

    Por isso, a auto-análise, que possibilite identificar as falhas de nossa personalidade e seus reflexos na conduta diária, é preliminar indispensável no esforço da renovação, a fim de que o mal desapareça em definitivo e perdure a harmonia.

    Todavia, nem sempre nos preocupamos com esta questão e, quando o fazemos, é de forma superficial, distanciada da realidade.

    “— Hoje não me sinto bem psiquicamente. Que terei feito de errado ontem?"

    “Pela manhã não esqueci a oração, e estude “O Livro dos Espíritos” com atenção. Discuti com um vendedor que pretendia impor mercadoria inferior por alto preço. Deixei bem claro que não sou tolo!"

    “Dediquei-me ao serviço no escritório, durante a tarde, sem tempo para cogitações inferiores. O único incidente de que me recordo é que passei severa descompostura em alguns subordinados distraídos em conversa. Era preciso manter a ordem!"

    “À noite compareci ao serviço mediúnico. A palestra do orientador espiritual foi magnífica. Quantas lições! Após a sessão, conversei com alguns companheiros. Lembro-me de que lhes falei a respeito de um confrade. Alertei-os de que se trata de pessoa mesquinha, que não merece confiança nem respeito."

    “Que terei feito de mal?”

    Neste breve monólogo podemos observar como é fácil identificar esclarecimento, disciplina e advertência em três atitudes que a Doutrina dos Espíritos classificaria, mais acertadamente, como agressividade, prepotência e maledicência, fatores de sintonia com as esferas inferiores, o grande celeiro de perturbações.

    À medida que nos aprofundamos no estudo da Terceira Revelação, melhor percebemos a grandiosidade da lição legada por Jesus ao recomendar oração e vigilância. É indispensável vigiar atentamente nossos pensamentos e ações nos contactos com o próximo, conscientes de que, sempre que não expressarem pureza, estaremos a caminho do desequilíbrio.

    Quando isso acontecer, a prece sincera, da quem reconhece a própria fraqueza e deseja o melhor, será o recurso divino capaz de reajustar as emoções, para que o Bem seja mais forte.


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens