Alguém Convida

    A fim de não descermos, alma boa,
    A considerações frias e cegas,
    Lembra, no culto da beneficência,
    O tesouro de bênçãos que carregas.

    Usando as mãos tão ágeis quanto livres,
    Sem quaisquer embaraços,
    Pensa na provação dos companheiros
    Que caminham sem braços.

    Em contemplando céus, estrelas, flores,
    Sem notar que a visão é um dom de luz que levas,
    Fita os irmãos que trazem sobre os olhos
    Duas vendas de trevas.

    Manejando a palavra que te exprime
    E com que prendes tanto quanto estudas,
    Medita na extensão das outras vozes
    Inibidas ou mudas.

    Ante os seres queridos
    Que te ofertam amor e que estimas amar,
    Anota, coração, os que varam a vida
    Sem um pouso por lar.

    Envolvendo em conforto um filho amado
    Que recolhes por laço predileto,
    Reflete nos pequenos desprezados
    Que padecem na rua a carência de afeto.

    Enquanto a te ampara e abençoa a alegria,
    Lutes, de estrada a estrada, muito embora,
    Encontras tanta gente arrasada de angústia,
    Tanta gente que chora!...

    Enumera as vantagens que desfrutas
    E escuta, alma querida, o convite de alguém
    È o Cristo que aguarda o concurso fraterno
    Para estender no Mundo a construção do Bem.


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens