No Caminho do Amor

    Em Jerusalém, nos arredores do Templo, adornada mulher encontrou um nazareno, de olhos fascinantes e lúcidos, de cabelos delicados e melancólicos sorriso, e fixou-o estranhamente.
    Arrebatada na onda de simpatia a irradiar-se dele, corrigiu as dobras da túnica muito alva; colocou no olhar indizível expressão de doçura e, deixando perceber, nos meneios do corpo frágil, a visível paixão que a possuíra de súbito, abeirou-se do desconhecido e falou, ciciante:
    -Jovem, as flores de Séforis encheram-me a ânfora do coração com deliciosos perfumes. Tenho felicidade ao teu dispor, em minha loja de essências finas...
    Indicou extensa vila, cercada de rosas, à sombra de arvoredo acolhedor, e ajuntou:
    -Inúmeros peregrinos cansados me buscam a procura do repouso que reconforta. Em minha primavera juvenil, encontram o prazer que representa a coroa da vida. E' que o lírio do vale não tem a carícia dos meus braços e a romã saborosa não possui o mel de meus lábios. Vem e vê! Dar-te-ei leito macio, tapetes dourados e vinho capitoso ... Acariciar-te-ei a fronte abatida e curar-te-ei o cansaço da viagem longa! Descansarás teus pés em água de nardo e ouvirás, feliz, as harpas e os alaúdes de meu jardim. Tenho a meu serviço músicos e dançarinas, exercitados em palácios ilustres!...
    Ante a incompreensível mudez do viajor, tornou, súplice, depois de leve pausa:
    -Jovem, porque não respondes? Descobri em teus olhos diferentes chama e assim procedo por amar-te. Tenho sede de afeição que me complete a vida. Atende! atende!...
    Ele parecia não perceber a vibração febril com que semelhantes palavras eram pronunciadas e, notando-lhe a expressão fisionômica indefinível, a vendedora de essências acrescentou uma tanto agastada:
    -Não virás?
    Constrangido por aquele olhar esfogueado, o forasteiro apenas murmurou:
    -Agora, não. Depois, no entanto, quem sabe?!...
    A mulher, ajaezada de enfeites, sentindo-se desprezada, prorrompeu em sarcasmos e partiu.

    Transcorridos dois anos, quando Jesus levantava paralítico, ao pé do Tanque de Betesda, venerável anciã pediu-lhe socorro para infeliz criatura, atenazada de sofrimento.
    O Mestre seguiu-a, sem hesitar.
    Num pardieiro denegrido, um corpo chagado exalava gemido angustioso.
    A disputada marcadora de aromas ali se encontrava carcomida de úlceras, de pele enegrecida e rosto disforme. Feridas sanguinolentas pontilhavam-lhe a carne, agora semelhante ao esterco da terra. Exceção dos olhos profundos e indagadores, nada mais lhe restava da feminilidade antiga. Era uma sombra leprosa, de que ninguém ousava aproximar.
    Fitou o Mestre e reconheceu-o.
    Era o mesmo mancebo nazareno, de porte sublime e atraente expressão.
    O Cristo estendeu-lhe os braços, tocados de intraduzível ternura e convidou:
    -Vem a mim, tu que sofres! Na Casa de Meu Pai, nunca se extingue a esperança.
    A interpelada quis recuar, conturbada de assombro, mas não conseguiu mover os próprios dedos, vencida de dor.
    O Mestre, porém, transbordando compaixão, prosternou-se fraternal, e conchegou-a, de manso...
    A infeliz reuniu todas as forças que lhe sobravam e perguntou, em voz reticenciosa e dorida
    -Tu?... o Messias nazareno?... O Profeta que cura, reanima e alivia?!... Que viste fazer, junto de mulher tão miserável quanto eu?
    Ele, contudo, sorriu benevolente, retrucando apenas:
    -Agora, venho satisfazer-te os apelos.
    E, recordando-lhe a palavra do primeiro encontro, acentuou, compassivo:
    -Descubro em teus olhos diferentes chama e assim procedo por amar-te


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens