A+ | A- | Imprimir | Ouça a MSG | Ant | Post

É comum a dúvida quanto à confiança que se pode depositar em informações trazidas através de médiuns por supostas comunicações dos chamados mortos.
O fenômeno das comunicações é real. Está constatado diariamente pela observação, pelo estudo, pela pesquisa e pelos registros de milhares de fatos documentados na história, notadamente por cientistas, em todos os tempos, comprometidos com o sincero propósito de esclarecer sobre origem, realidade e finalidade de tais fenômenos.
A Doutrina Espírita estuda-os. Aliás vale dizer que toda sua estrutura filosófica surgiu das revelações trazidas pelas comunicações dos espíritos. E como seu Codificador, o professor Hippolyte Leon Denizard Rivail – que adotou o pseudônimo de Allan Kardec para publicar os livros – submeteu os fenômenos e o conteúdo das comunicações ao rigoroso controle da observação, à luz da lógica e do bom senso, temos essas revelações submetidas ao caráter científico e com embasamento absoluto no Evangelho de Jesus, o que lhe dá a característica religiosa.
Fica, pois, o perfil de ciência, filosofia e religião para o Espiritismo.
Porém, voltemos ao tema central que ora nos interessa. Os fenômenos são reais, mas como existem fraudadores em toda parte, eles podem estar submetidos à leviandade do médium ou mesmo do espírito comunicante (a condição de espírito habitando o mundo espiritual não garante sabedoria ou bondade).
Da observação do parágrafo anterior surgem, pois, os equívocos, fraudes, mentiras e adaptações interesseiras com objetivos escusos.
Então, surge a dúvida: como saber o que é correto e confiar?
Há um único caminho: conhecer.
Conhecer o Espiritismo. Estudá-lo com seriedade para entender-lhe os propósitos. E também o conhecer a pessoa ou grupo a que você, leitor, esteja vinculado e em quem procura confiar. Conhecer a índole do médium, do grupo. Não há outra maneira de discernir.
Para conhecer, estude os livros da Codificação Espírita de Allan Kardec, a iniciar-se pelo O Livro dos Espíritos. Para conhecer as pessoas que você tem buscado, observe o que lhes norteia o procedimento. Se há interesses de ganho material ou se o objetivo de servir ao próximo é sua bússola de orientação.
E esqueça promessas de cura ou resolução imediata de problemas. Isto não existe. Isto sim é fraude e tentativa de exploração. Fique atento. Conhecendo, não se corre o risco de ser enganado.


Por: Orson Carrara, Texto enviado pelo próprio autor para publicação em nosso site


Tags

ORSON CARRARA

Leia Também:

Como é uma Reunião Espírita: por Orson Carrara
Que é Ser Espírita?: por Orson Carrara
Que você pensa sobre os Espíritos?: por Orson Carrara
Um Risco na Mediunidade: por Orson Carrara
Síntese não Percebida: por Orson Carrara

Avalie Esssa MSG

0 Voto(s) 0 Voto(s)

Comentários