Deus Te Abençoe

    Logo após fundar o Lar “Anália Franco”, na cidade de S. Manuel, no estado de S. Paulo, viu-se D. Clélia Rocha em sérias dificuldades para mantê-lo.

    Tentando angariar fundos de socorro, a abnegada senhora conduzia crianças, aqui e ali, em singelas atividades artísticas. Acordava almas. Comovia corações. E sustentava o laborioso período inicial da obra.

    Desembarcando, certa noite, em pequena cidade, foi alvo de injusta manifestação antiespírita. Apupos. Gritaria. Condenações.

    D. Clélia, com o auxílio de pessoas bondosas, protege as crianças.

    Em meio à confusão, vê que um moço robusto se aproxima e, marcando-lhe a cabeça, atira-lhe uma pedra.

    O golpe é violento. O sangue escorre. Mas a operosa servidora do bem procede como quem desconhece o agressor.

    Medica-se depois.

    espíritas devotados que surgem. D. Clélia demora-se por mais de uma semana, orando e servindo.

    Acabava de atender a um doente em casa particular, quando entra senhora aflitíssima. É mãe. Tem o filho acamado com meningite e pede-lhe auxílio espiritual. D. Clélia não vacila. Corre ao encontro do enfermo, e surpreendida, encontra nele o jovem que a ferira.

    Febre alta. Inconsciência. A missionária desdobra-se em desvelo.

    Passes. Vigílias. Orações. Enfermagem carinhosa.

    Ao fim de seis dias, o doente está salvo. Reconhece-a envergonhado e, quando a sós, beija-lhe respeitosamente as mãos e pergunta:

    – A senhora me perdoa?

    Ela, contudo, disse apenas, com brandura:

    – Deus te abençoe, meu filho.

    Mas o exemplo não ficou sem fruto, porque o moço recuperado fez-se valoroso militante da Doutrina Espírita e, ainda hoje, onde se encontra é denodado batalhador do Evangelho.


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens