Jesus Conta Contigo

    Alma querida, por vezes,
    No conforto que te asila,
    Exclamas, de voz tranqüila,
    Quase sempre a perguntar:
    - “Que posso fazer no mundo,
    Com legítimo proveito
    Se tudo parece feito
    Com tanta luz a brilhar?”

    E contentas-te fitando,
    No esplendor a que te entrosas,
    As máquinas primorosas
    Na escalada de apogeus...
    Sabes que tudo é progresso,
    Sob vantagens em bando,
    E tens razão afirmando
    Que a vanguarda vem de Deus.

    Mas do caminho enfeitado
    Em que o cérebro procura
    os ápices da cultura
    Na elevação a transpor,
    Ante a força que te exalta,
    Lembremos a alma querida,
    Que Deus também pede à vida
    Esperança, paz e amor.

    Ao lado de tanto brilho,
    No campo em que te renovas,
    Olha a fieira das provas,
    Nas mágoas em que se vão,
    Os companheiros que trazem,
    Sob a névoa que os invade,
    A dor da necessidade
    E o frio do coração

    Junto à penúria que chora,
    Pensa no lar em tumulto,
    Medita no pranto oculto
    Dos que padecem a sós;
    Procura sentir de perto
    A luta que te acompanha,
    Perceberás a montanha
    Das grandes dores sem voz.

    Raciocínio sem amor,
    Pode ser, o mais profundo
    Desequilíbrio no mundo
    Em trágico frenesi...
    Alma boa, não perguntes,
    Confia, trabalha e ama,
    Eis que a Terra te conclama:
    O Cristo espera por ti.


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens