Esperança

    Se a noite o surpreendeu de coração ferido ou de cérebro azorragado por amargos arrependimentos, não se renda à dor que lhe parece irremediável...

    Enquanto a sombra se estende ao longo do caminho, e a ventania sopra, qual lamentoso grito de angústia, fite as estrelas que cintilam nas alturas e siga adiante, ao encontro do novo dia.

    Não pode? Tremem-lhe os pés sob o fardo da aflição? Enrijeceram-se-lhe as fibras da alma e não consegue nutrir um novo sonho?

    Erga uma prece à Esperança, o gênio da luz que nos permite antever o porvir imenso. Recolha-se à oração e ela virá, doce e infatigável enfermeira, balsamizar-lhe as chagas interiores e sustentar-lhe as energias semimortas.

    Atenda-lhe o apelo carinhoso e prossiga sem desfalecimento.

    Não o embote o entorpecente elixir da inércia ou o fel corrosivo do sofrimento.

    Aceite as sugestões do gênio amigo e reflita...

    Sentirá no próprio coração dores maiores que a sua, os pavores dos grandes infelizes, as úlceras cancerosas de milhões que, até agora, você não conseguira ver.

    Então, inefável consolo baixará do Céu sobre a sua dor, aquietando-lhe a ânsia inexprimíveis sentimentos desabrocharão em seu espírito, e seus braços se abrirão para acolher as ignoradas mágoas dos seres mais humildes da Terra.

    Nem todos sabem avaliar essa virtude celeste. Muitos a transformam em vinagre de impaciência ou em tortura mortal, convertendo-lhe a bênção em estilete da enfermidade.

    Felizes, porém, daqueles que lhe guardam a sublime claridade no imo do espírito, porque verão a sabedoria do tempo, adquirindo com a vida a ciência da paz.

    Espera! – diz a noite – o dia voltará.

    Espera! – clama a semente – o fruto não tarda.

    Espera! – anuncia a justiça – e tudo recomporei.

    Bem-aventurados, pois, quantos no mundo sabem aprender, servir e esperar!


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens