Ânsia Inútil

    Regressando, encantado, de outras rotas
    Em que a vida sublime se retrata,
    Quisera repetir a serenata
    Dos sóis, marcando sublimadas notas.

    Ah! se eu pudesse descrever as frotas
    Dos mundos de ouro pelos céus de prata
    E o turbilhão da luz que se desata
    De resplendentes amplidões remotas!...

    Mas, singela e sombria, a lira estala,
    Estraçalha-se o plectro da fala,
    Embora o anseio que se me agiganta...

    E, no incêndio que lavra no meu peito,
    Somente encontro inútil verbo estreito
    Que me estrangula as cordas da garganta.


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior | Ouça o conteudo



    Acesse todas as Mensagens