Lições de Amor e Perdão

    O mundo conheceu o drama da mulher nigeriana que, por ter concebido fora do casamento, foi condenada a morrer apedrejada.

    Sua história comoveu o Mundo, mas poucos a sabem em detalhes.

    Poucos sabem que ela, aos 13 anos foi dada em casamento, pelos pais, a um homem de mais de 50 anos.

    Após ela ter quatro filhos, foi repudiada por esse marido, com a alegação de que não cuidara de forma eficiente das crianças, permitindo que duas viessem a morrer.

    Diga-se, de catapora, em uma região desolada, na savana nigeriana, com total falta de recursos.

    Quando o médico chegou, era tarde demais.

    Depois disso, ela se casou mais três vezes, tendo ao todo sete filhos.

    Conforme a Lei Islâmica, foi repudiada por mais duas vezes e, do último marido, ela mesma pediu o divórcio.

    Um primo distante, pertencente à família de seu pai a começou cortejar.

    Toda vez que ela saía, ele a encontrava. Falava-lhe coisas gentis, agradáveis, que a foram seduzindo.

    Prometeu-lhe casamento. Ela acreditou ter encontrado a felicidade.

    Quando engravidou, feliz, lhe deu a notícia. Ele a aconselhou a fazer um aborto clandestino, que ela não aceitou.

    Quando a gravidez não podia mais ser ocultada, ela foi denunciada à Corte Islâmica.

    Quem a denunciou? Não foram os vizinhos, amigos ou curiosos. Foi seu irmão. O irmão mais querido.

    Aquele que ela, ainda menina, auxiliara a cuidar, levando amarrado às costas muitas vezes.

    O drama vivido por essa mulher foi pungente. Humilhada várias vezes, ao ter sua sentença de morte decretada, seu maior pesar foi que sua filhinha, Adama, ficaria sem mãe.

    Duas grandes lições essa mulher passou ao Mundo.

    A primeira, é que o fruto da sua ligação com o homem que a abandonou, o motivo da sua sentença de morte, é intensamente amado por ela.

    Em nenhum momento, ela deixou de olhar para a menina com olhos de muito amor.

    Mesmo condenada à pena capital, continuou a amamentá-la, acarinhá-la, considerando-a um presente de Deus.

    “Minha filha me dá forças, ela é o meu alento.” – dizia.

    A outra grande lição é a do perdão incondicional. Quando foi decretada sua sentença, o irmão que a denunciara a foi visitar.

    Sem esperar que ele falasse, ela se aproximou dele e o abraçou.

    Ele estava arrependido do que fizera. Dera ouvidos a amigos, não pensara nas conseqüências finais.

    Misturaram as lágrimas. Ele se ofereceu para auxiliar a pagar o advogado que faria a apelação perante a Corte Islâmica.

    Safiya foi perdoada. Considerada inocente.

    Graças ao esforço de seu advogado e da grande pressão internacional.

    A sua história auxiliará, em seu país, a outras mulheres, com certeza.

    As suas lições de amor, de perdão, contudo, se fazem exemplo para o Mundo inteiro.

    Curiosidades

    Safiya vive no mesmo lugarejo, ao norte da Nigéria. Ela tornou a se casar.

    Um jornalista italiano transformou em livro a sua história. Parte dos proventos advindos da venda do livro são doados a um projeto de apoio e assistência às mulheres e crianças nigerianas.

    Tudo realizado por uma ONG italiana, fundada em 1965. Ao todo, essa ONG trabalha em 36 países da África, América Latina, Ásia e nos Bálcãs, envolvendo quase 1.800 operadores.

    A solidariedade não tem fronteiras.


    A+ | A- | Imprimir | Envie para um(a) amigo(a) | Mensagem Anterior | Posterior

    Acesse todas as Mensagens